É seu? Não! Então não mexa.

Eu nem fui muito fundo no papo da tal jornalista, mas pelo twitter e abrindo alguns links deu pra entender.

Também não vou comentar sobre a moça ou seus algozes, não colocarei pingo nos “is” e muito menos vou falar sobre diploma.

Só quero dizer que tudo é uma questão de educação. Educação que se aprende em casa.

Desde pequena eu ouço minha mãe dizer:

– Isto é seu? Não? Então não ponha a mão.

Ou

– A gente não pega nem um grampo se este não for da gente!

Pronto, basta. Mas isto não quer dizer que eu nunca tenha roubado nada, sim eu roubei.

Uma vez eu devia ter uns 4 ou 5 anos, fomos numa loja de móveis. Sobre uma mesa de centro, havia um enfeite legal, ele era imantado e sobre ele muitas bolinhas e pininhos que se grudavam uns  aos outros por conta da atração. Dava pra brincar HORAS com aquilo. Enfiei muitas bolinhas e pininhos no bolso do vestido, (eu achava que eles funcionavam sem a base de imã), e fiquei com aquela cara de Sarney em tempos de saia justa.

Claro, alguém me viu! Não sei se alguém da loja ou meus pais, sei que ao chegar no carro, minha mãe toda jeitosa me perguntou o que tinha nos bolsos e tal… corei, fui pega em flagrante. BRONCA, nenhuma. Só conversa. Mas tive que entrar sozinha na loja, devolver tudo e pedir desculpas.

Pronto, lição aprendida.

Esta é a base, educação, simples assim, se não for seu nem mexa. Isto vale pro grampo, pro fósforo e como nem tudo é pálpavel vale também para textos e até idéias! Idéias não tem copyright. Quem não teve uma idéia roubada por um chefe, por um fulano na reunião ou até por um amigo?

É foda. Mas o pior, é pensar como que alguém relaxa tendo feito isto… sei lá, na minha cabeça, na minha concepção, isto não é aceitável.

No caso dos textos e idéias, enquanto o fulano se acha “espertão”, a verdade é que ele está atestando sua incapacidade, burrice e falta de caráter. Fora que ele não vai muito longe, fato.

Não é seu, então não mexa.

#prontofalei

Lembro